VEJA E OUÇA A DEFESA FERVOROSA DO SEGUIMENTO GLS GLBT GLBTT NA VOZ TROVEJANTE DO AMIGO BOCA ABERTA

Loading...
Mande suas críticas e sugestões
amigobocaaberta@gmail.com

domingo, 24 de julho de 2011

Militância vai discutir mudanças no projeto anti-homofobia de Marta Suplicy



Boa parte da militância paulista não gostou nem um pouco da mudança que a senadora petista Marta Suplicy fez no PLC 122/06, que criminaliza a homofobia no Brasil, e vai se reunir em São Paulo, no próximo dia 28, para reforçar sua posição contrária à alteração feita pela parlamentar. A reunião é aberta a todos. A plenária começa às 19h, na sede da Associação dos Professores do Estado de São Paulo (APEOESP), que fica na Praça da República, 282, centro paulistano. Ela tem como objetivo avaliar e deliberar sobre a conveniência desse novo substitutivo ao PLC 122/06, além de também apresentar propostas e sugestões de emendas e alterações à proposta.Na convocatória pública assinada por nove entidades de defesa da cidadania LGBT do Estado de São Paulo, os militantes alegam que estão “preocupados com os possíveis desdobramentos do Projeto de Lei apresentado pelos Senadores Marta Suplicy, Marcelo Crivella e Demóstenes Torres”.Eles dizem ainda que “a discussão sobre esse novo substitutivo não alcançou o movimento social em sua amplitude, diversidade e complexidade, e essa é uma questão essencial a qualquer legislação que pretenda proteger determinado segmento da sociedade”.A discussão vai reunir militantes da Frente paulista Contra a Homofobia, Ato Anti-Homofobia, Instituto Edson Neris (IEN), Coletivo 28 de Junho, Rede Conexão paulista LGBT, Identidade – Grupo de Luta pela Diversidade Sexual, Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual (Gadvs) e do Centro de Apoio e Solidariedade à Vida (CASVI).


pride

Um comentário:

Anônimo disse...

Se a "militancia" se dispoe a criticar a senadora marta suplicy que mesmo sem o apoio de grande parte da "comunidade" glbt luta por nosso direitos. Que tal essa mesma "coesa" "militante" "comunidade" não se propoe a discutir porque mesmo sendo mais de 15 milhões de pessoas glbt não temos representação proporcional. Um bando de gente que só sabe criticar, ir a sauna, ir na balada, ir nos barzinhos e meter pau em quem se dispoe a fazer algo.