VEJA E OUÇA A DEFESA FERVOROSA DO SEGUIMENTO GLS GLBT GLBTT NA VOZ TROVEJANTE DO AMIGO BOCA ABERTA

Loading...
Mande suas críticas e sugestões
amigobocaaberta@gmail.com

terça-feira, 5 de abril de 2011

Sobrevivente gay de campo de concentração nazista lança livro de memórias aos 95 anos


Rudolf hoje, no memorial aos homossexuaisvítimas do regime nazista em BerlimRudolf Brazda tem hoje 97 anos e há dois reolveu escrever e publicar suas memórias. Em especial sobre o tempo que esteve no campo de concentração nazista de Buchenwald sob acusação de ser gay.Os homossexuais nos campos de concentração nazistas eram identificados com triângulos rosa, hoje um símbolo do movimento gay. Estima-se que 10 mil homossexuais foram para campos de concentração nazistas. Com a matrícula 7952, Rudolf ficou preso em Buchenwald de 1942 a 1945 sob acusação de “luxuria antinatural”. No livro Triângulo rosa - Um homossexual no campo de concentração nazista (184 p., R$ 48,90), lançamento da Mescla Editorial, Rudolf conta sua história para Jean-Luc Schwab, pesquisador e militante dos direitos dos homossexuais, que acrescenta rigorosa pesquisa histórica ao texto.Em 8 de agosto de 1942 ele foi mandado para Buchenwald. Durante três anos, num lento processo de desumanização, viveu e presenciou todo tipo de atrocidade. Certa vez, escondido sob o telhado, deitado de bruços sob o forro, ele e Fernand, um companheiro de prisão, presenciaram a execução de soldados soviéticos. "Acabamos nos habituando à ideia de morrer a qualquer instante. Não tínhamos medo de morrer e, se fôssemos pegos, poderia ter sido fatal. Ver gente morrendo nos deixava quase indiferentes, pois isso era constante no cotidiano. Hoje, choro toda vez que me lembro desses instantes terríveis, mas na época eu endureci para sobreviver... como os outros", conta ele no livro.Mas Rudolf se mostra um otimista. No trecho final do livro, ele escreve: "Atingi uma idade avançada e vivi mais tempo do que meus irmãos e irmãs, assim como mais do que meus amigos e companheiros de deportação. Passei quase 50 anos com meu querido Edi e hoje ainda consigo sempre satisfazer as minhas vontades sozinhos: faço a comida, as compras, lavo a roupa e arrumo a casa. Se Deus existe, ele foi particularmente bom comigo, porque tive uma vida feliz e plena. E, se eu tivesse de refazer tudo, não mudaria nada, nem mesmo Buchenwald".Triângulo rosa - Um homossexual no campo de concentração nazistaEditora: Mescla EditorialPreço: R$ 48,90 .


cultura gls

Nenhum comentário: